0
Visualização
Acesso aberto Revisado por pares
Desafio em Estimulação Cardíaca Artificial: Qual o Diagnóstico?

Qual o Diagnóstico? Desafio em Estimulação Cardíaca Artificial: qual o diagnóstico?

José Mário Baggio; Joubert Ariel Pereira Mosquera; Ewandro Luiz Rey Moura; Luís Gustavo Ferreira Gomes; Wagner Luís Gali; Álvaro Valentim Lima Sarabanda

FIGURAS

Citação: Baggio Junior JM, Mosquera JAP, Moura ELR, Gomes LGF, Gali WL, Sarabanda ÁVL. Qual o Diagnóstico? Desafio em Estimulação Cardíaca Artificial: qual o diagnóstico?. Arq Bras Cardiol 31(4):179.
 

DESCRIÇÃO DO CASO CLÍNICO

Paciente do sexo feminino, com 54 anos de idade, com hipertensão arterial e febre reumática prévia apresentou bloqueio atrioventricular total após troca de valva mitral (prótese biológica) e plastia de valva mitral. Foi submetida a implante de marcapasso bicameral atrioventricular (Figura 1) havia três anos quando retornou para uma avaliação eletrônica do marcapasso queixando-se de palpitações taquicárdicas de início súbito associadas à sensação pulsátil em fúrcula esternal e fadiga durante esforços de rotina. Na admissão, foi realizado o eletrocardiograma de repouso (Figura 2).

Com o objetivo de avaliar melhor o ritmo para os átrios, foi realizado o registro eletrocardiográfico com velocidade = 50 mm/s (Figura 3). Esta manobra permitiu a visualização de um entalhe no final da onda T, correspondente à ativação elétrica dos átrios. Assim, o médico plantonista iniciou terapia com amiodarona endovenosa e solicitou uma avaliação da equipe de estimulação cardíaca artificial.

 

DISCUSSÃO

A avaliação eletrônica do marcapasso elucidou o diagnóstico assim que a telemetria foi estabelecida (Figura 4). Tratava-se de ritmo de flutter atrial com frequência em torno de 260 ppm e onda F (flutter) ora sentida e deflagrando estímulo ventricular, ora ocorrendo no período de blanking atrial pós-evento ventricular estimulado, simulando uma taquicardia atrial com frequência = 130 ppm. Tal mecanismo pode ser mais bem ilustrado no esquema da Figura 5.

As arritmias em portadores de marcapasso podem ser classificadas em: I) conduzidas pelo marcapasso; II) geradas pelo marcapasso; ou III) mediadas pelo marcapasso. No caso apresentado, curiosamente, trata-se de uma arritmia parcialmente conduzida pelo marcapasso. Tal fato ocorreu devido a uma função protetora de crostalking do contador de tempos do marcapasso chamada blanking. O intervalo blanking tem como objetivo evitar a sensibilidade inapropriada de espículas emitidas. Ele inicia-se imediatamente após a emissão da espícula tanto na câmara em que a espícula foi emitida quanto nas demais câmaras, nos casos de dispositivos bicamerais e multissítio. Tem duração, usualmente, em torno de 40 ms, sendo programável em alguns dispositivos.

Pela telemetria do dispositivo foi possível visualizar que uma das ondas F era sentida, sendo que a segunda onda F nem era marcada no período refratário, uma vez que estava ocorrendo no blanking atrial após a estimulação ventricular. Tal ciclo se perpetuou, pois se a onda F não era visualizada continuamente, não era possível a ativação da mudança automática de modo de estimulação (Automatic mode switching - AMS). Este algoritmo ignora a atividade elétrica atrial e passa a estimular isoladamente os ventrículos diante de frequências atriais elevadas determinadas por programação. Ele tem como objetivo proteger os pacientes de arritmias conduzidas pelo marcapasso.

Em pacientes portadores de dispositivos cardíacos eletrônicos implantáveis (DCEI) que apresentem eventos como o desta paciente, diferentes soluções podem ser aplicadas:

  • Em DCEI, com intervalo blanking programável, sua duração deve ser reduzida;
  • Em pacientes com doença do nó sinusal, o dispositivo pode ser programado em DDIR;
  • Em dispositivos específicos que possuam o algoritmo blanked flutter search ele deve ser ativado. Quando o intervalo AA é menor que I) duas vezes a soma do intervalo atrioventricular mais o intervalo de blanking atrial pós-evento ventricular estimulado ou II) duas vezes o intervalo de detecção do AMS por oito ciclos consecutivos; este algoritmo promove aumento do período refratário atrial pós-ventricular [post-ventricular atrial refractory period (PVARP)] por um ciclo a fim de desmascarar atividades atriais que estejam ocorrendo ocultamente no período de blanking.

Especificamente nesta paciente optou-se por reduzir o período de blanking atrial após evento ventricular estimulado (post-atrial ventricular blanking - PVAB) e programar o dispositivo em DDIR, uma vez que diante da reversão do flutter a paciente permaneceu com frequência sinusal em torno de 45 ppm. Foi também indicada a ablação do flutter atrial, que foi realizada com sucesso.

 

REFERÊNCIAS

Ellenbogen KA, Wilkoff BL, Kay GN, Lau CP, Auricchio A. Clinical Cardiac Pacing Defibrillation, and Resynchronization Therapy. 5th ed. Philadelphia, PA: Elsevier; 2017.
Barold SS, Stroobandt RX, Sinnaeve AF. Cardiac Pacemakers Step by Step: An Illustrated Guide. Oxford: Wiley-Blackwell; 2004.

© Todos os Direitos Reservados 2019 - Departamento de Estimulação Cardíaca Artificial da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular